Domingo de amor

Eu sou apaixonada pelo dia 10. E o desse mês veio cheio de amor.

O dia acordou ensolarado, depois de um sábado de chuva, aquilo só podia ser a vida nos presenteando. Demoramos para levantar, nada diferente de todos os outros dias. Mas o domingo é aquele dia que a vida não tem pressa. No domingo, a vida passa em slow motion.

Naquela manhã de sol, eu te paquerei enquanto você olhava o celular. Você nem notou e eu nem me importei. Não queria reciprocidade naquela hora, queria apenas ver a vida passando bem ali na minha frente, enquanto mentalmente agradecia por estar vivendo tudo aquilo.

Você deitou com a cabeça na minha barriga e falou que ouviu um roncado, foi sua forma de dizer que estava com fome. Previsível também, pois já era quase 10h. Levantei para preparar nosso café: O café de domingo! Aquele que a gente põe a mesa, que come frutas, pão, bolo, tapioca, suco, café… Nosso banquete. O que esperamos a semana toda para fazer porque domingo é o dia que a vida não tem pressa.

O relógio marcava quase meio dia, mas para gente é como se ainda fosse oito horas da manhã. A conversa é diferente, o humor é diferente. Domingo é o dia que a vida nos mostra que não precisa ter pressa. E a vida passa bem devagarinho. É o dia que a vida dar aquele abraço cheio de amor, que nos aquece todinho, nos prepara para pressa, para a correria, para os cafés rápidos e sem capricho, pro despertador e para esperar o próximo suspiro.

Eu sou apaixonada pelos domingos. Você me fez amar os domingos. Cachorro veio reafirmar essa paixão. E quando domingo cai no dia 10, só pode ser um domingo de amor.

DSC00211DSC00216DSC00217DSC00218DSC00222DSC00224DSC00226DSC00228DSC00229DSC00235DSC00238DSC00242DSC00245DSC00248DSC00250DSC00251DSC00253DSC00258DSC00270DSC00275DSC00282DSC00289DSC00300DSC00303

 

Casa cheia (de amor)

Minha família sempre morou longe e só se reunia duas vezes por ano: natal e ano novo. Já Manel, sempre teve a família por perto e pelo menos uma vez por semana eles se reuniam, no tradicional almoço de domingo. Isso foi uma das coisas que aprendi com ele, principalmente depois de perder alguns parentes, é que poucas coisas na vida são melhores do que estar ao lado da nossa família.

Desde que nos mudamos ainda não tínhamos conseguido trazer a família para conhecer o nosso ap. E no ultimo sábado finalmente conseguimos reunir um pedaço da família de Manel aqui em casa para um almoço de “inauguração do ap” e a casa ficou assim: cheia de amor.

Manel ficou responsável pelo prato principal e fez uma peixada deliciosa, todo mundo elogiou. De sobremesa, eu fiz um sorvete de torta de limão super fácil que aprendi no canal cozinha para 2. Mas como usamos muito a geladeira, a sobremesa só ficou boa no fim da noite e nem todos provaram, mas quem provou gostou. Agora só falta conseguirmos uma data para reunir a minha família aqui em casa também. Cenas dos próximos capítulos, vamos aguardar ;)

IMG_4008 IMG_4012 IMG_4020IMG_4018IMG_3998IMG_3981 IMG_4026 IMG_4039 IMG_4051 IMG_4055

 

Bom também!

Esse ano não teve Olinda, nao teve ladeiras, não teve aperto, não teve empurra-empurra, não teve perrengue (ufa!). Mas teve piscina, teve família, teve conchinha, teve fotos embaixo d’água, teve bailinho de fantasias, teve churrasco e batida de frutas, teve descanso e teve amor, muito amor! E não tem como não classificar esse de: um carnaval perfeito!